Limitações das reformas para o controle civil sobre as forças armadas nos governos do PT (2003-2016)

Juliano da Silva Cortinhas, Marina Gisela Vitelli

Resumo


O artigo debate a evolução do controle civil sobre as forças armadas nas gestões do Partido dos Trabalhadores (PT). A análise está concentrada nas transformações promovidas no Ministério da Defesa (MD), tanto com relação à sua estrutura quanto no perfil dos agentes que lá atuavam. Enquanto a maioria da literatura destaca positivamente as medidas que foram adotadas naquele período, o artigo defende que o período foi marcado pela permanência da autonomia institucional das forças armadas. A divergência decorre de lacunas ontológicas e metodológicas nos modelos analisados. Ontologicamente, tais modelos privilegiam o estudo da estrutura do MD, em detrimento do exame do perfil dos agentes que a compõem. Metodologicamente, há excessiva preocupação com a comparação, que deixa de considerar peculiaridades de cada país. O primeiro objetivo do artigo é contribuir para a correção dessas lacunas. O segundo é apontar os limites dos avanços no controle civil ao longo dos governos do PT. Três variáveis embasam o argumento: a) a evolução da estrutura organizacional do Ministério da Defesa; b) os perfis dos ministros da Defesa; c) o equilíbrio entre civis e militares na pasta.


Palavras-chave


Ministério da Defesa; Partido dos Trabalhadores; Controle Civil; relações civis-militares

Texto completo:

PDF

Referências


Amorim Neto, Octávio. 2010. “O Papel do Congresso nas questões de defesa: entre a abdicação e o comprometimento”. In Segurança Internacional: Perspectivas Brasileiras, edited by João Paulo Soares Alsina Júnior, Nelson A. Jobim, and Sérgio

W. Etchegoyen: 436–48. Rio de Janeiro: FGV Editora.

Bruneau, Thomas C. 2005. “Civil-Military Relations in Latin America: The Hedgehog and the Fox Revisited”. Revista Fuerzas Armadas y Sociedad 19, no. 1–2: 111–31.

Bruneau, Thomas C., Scott D. Tollefson. 2014. “Civil-Military Relations in Brazil: a reassessment”. Journal of Politics in Latin America 6, no. 2: 107–38.

Cantanhêde, Eliane, Simone Iglesias. 2009. “Contra ‘Comissão Da Verdade’, Comandantes Ameaçam Sair”. Folha de S. Paulo (Dezembro. https://www1.folha. uol.com.br/fsp/brasil/fc3012200907.htm.

Carlsnaes, Walter. 1992. “The Agency-Structure Problem in Foreign Policy Analysis”. International Studies Quarterly 36, no. 3: 245–70.

Cortinhas, Juliano S., and Giovanni Hideki Chinaglia Okado. 2015. “Transformação de Defesa? Exame do Primeiro Ciclo de Atualização dos Principais Documentos da Defesa Nacional”. Revista Brasileira de Estudos Estratégicos 7, no. 13, 67–102.

Costa, Octávio. 2011. “Relações militares. Ex-chanceler do governo Lula, Celso Amorim assume a pasta da Defesa no lugar de Nelson Jobim — mas a escolha já provoca insatisfação na caserna.” IstoÉ (Agosto). https://istoe.com.br/150322_ RELACOES+MILITARES/.

Desch, Michael C. 2001. Civilian Control of the Military: the changing security envi- ronment. Baltimore: Johns Hopkins University Press.

Dessler, David. 1989. “What’s at Stake in the Agent-Structure Debate?”

International Organization 43, no. 3, 441–73.

Fuccille, Alexandre. 2006. “Democracia e questão militar: a criação do Ministério da Defesa no Brasil.” Tese de Doutorado, Unicamp.

Gedes. 2011. Informe Brasil nº 22/2011. Observatório Sul-Americano de Defesa e Forças Armadas.

https://gedes-unesp.org/wp-content/uploads/2018/06/Informe-Semanal- Brasil-Sul-Americano-22-2011.pdf

Gedes. 2015. Informe Brasil nº 32/2015. Observatório Sul-Americano de Defesa e Forças Armadas.

https://gedes-unesp.org/wp-content/uploads/2018/06/Informe-Semanal- Brasil-Sul-Americano-32-2015.pdf

Madruga, Florian Augusto de Abreu Coutinho. 2015. “O Congresso Nacional, as relações civis-militares e a política de defesa no Brasil (1999-2014)”. Dissertação de Mestrado, FGV.

Marques, Adriana. 2004. “El Ministerio de Defensa en Brasil. Limitaciones y pers- pectivas”. Revista Fuerzas Armadas y Sociedad 18, no. 3–4: 27–51.

Martins Filho, Joao Roberto. 2010. “Tensões militares no governo Lula (2003- 2009): a pré-história do acordo com a França”. Revista Brasileira de Ciência Política, no. 4: 283–306.

Monteiro, Tania, and Ana Paula Scinocca. 2007. “Comandante contraria ministro e defende controle aéreo militar”. O Estado de S. Paulo (Abril).

Moraes, Marcelo de. 2010. “Jobim admite falha e garante que FAB não omitiu documentos secretos”” O Estado de S. Paulo (Março).

Moreira, William de Sousa. 2011. “A Obtenção de Produtos de Defesa no Brasil: O Desafio da Transferência de Tecnologia”. Revista da Escola de Guerra Naval 17, no. 1: 127–50.

Pion-Berlin, David. 2005. “Political Management of the Military in Latin America”. Military Review 85, no. 1: 19–31.

. 2009. “Defense Organization and Civil-Military Relations in Latin America”. Armed Forces & Society 35, no. 3: 562–86.

Pion-Berlin, David, and Rafael Martínez. 2017. Soldiers, Politicians, and Civilians: Reforming Civil-Military Relations in Democratic Latin America. Cambridge University Press.

Redação NSC. 2011. “Diário Oficial traz nomeação de Amorim. Escolha do ex-

-chanceler para substituir Jobim no Ministério desagradou os militares.” NSC Total (Agosto). https://www.nsctotal.com.br/noticias/diario-oficial-traz-nomea- cao-de-amorim.

Rocha, Fernando, Hector Luis Saint-Pierre, and Sérgio Paulo da Silva. 2004. “Parlamento e Defesa: o caso Brasileiro.” In Parlamento y Defensa en América Latina: el papel de las comisiones, edited by Gilda Follietti and Luis Tibiletti. Buenos Aires: SER en el 2000.

Saint-Pierre, Héctor Luis. 2009. “La defensa en la política exterior del Brasil: el Consejo Suramericano y La Estrategia Nacional de Defensa.” Documento de tra- bajo 50. Real Instituto Elcano.

Stepan, Alfred. 1988. Rethinking Military Politics: Brazil and the Southern Cone. New Jersey: Princeton University Press.

Wendt, Alexander. 1987. “The Agent-Structure Problem in International Relations Theory”. International Organization 41, no. 3: 335–70.

Wight, Colin. 2009. Agents, Structures, and International Relations. Cambridge: Cambridge University Press.

Winand, Erica, and Héctor Luis Saint-Pierre. 2010. “A fragilidade da condução política da defesa no Brasil.” História, no. 2: 3–29.




DOI: https://doi.org/10.26792/rbed.v7n2.2020.75239

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES