Guerra cibernética, ameaças às infraestruturas críticas e a defesa cibernética do Brasil

Danielle Jacon Ayres Pinto, Jéssica Maria Grassi

Resumo


Diante das dinâmicas emergidas com as novas tecnologias, esse estudo propõe debater sobre os novos moldes de ações ofensivas e defensivas no ciberespaço, buscando compreender algumas dinâmicas envolvidas diante das potencialida- des de um cenário de ciberguerra. Nessa perspectiva, a pergunta central que este artigo procura responder é: de que forma esses novos moldes e dinâmicas ligadas aos recursos cibernéticos poderiam ser compreendidos diante de um potencial cenário de ciberguerra? Os atores estatais têm desenvolvido estraté- gias específicas para lidar com as novas dinâmicas impostas pelo ciberespaço, tanto numa dinâmica defensiva e resiliente, como ofensiva. Contudo uma sé- rie de fatores característico deste espaço precisam ser melhor compreendidos frente as vulnerabilidades enfrentadas pelos Estados. Assim, após o debate teórico-conceitual sobre ciberguerra, o artigo analisa o posicionamento do Brasil frente a tais dinâmicas tendo como base de análise os documentos es- tratégicos de defesa do país.


Palavras-chave


Guerras híbridas; Ciberespaço. Ciberguerra; Infraestruturas críticas

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo Jorge, Bernardo Wahl G. de. 2012. “Das guerras cibernéticas”. XI Ciclo de Estudos Estratégicos da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME): 1–26 (Maio). Rio de Janeiro.

Ayres Pinto, Danielle Jacon, Riva Sobrado Freitas, and Graciela de Conti Pagliari. 2018. “Fronteiras virtuais: um debate sobre segurança e soberania do estado”. In Fronteiras contemporâneas comparadas: desenvolvimento, segurança e cidadania, edited by Danielle Jacon Ayres Pinto, Maria Raquel Freire, and Daniel Chaves: 40–53. Macapá: Editora da UNIFAP.

Cavelty, Myriam Dunn. 2010. “Cyberwar: concept, status quo, and limitations”.

Center for Security Studies (CSS) 71: 1–3 (Abril).

Charap, Samuel. 2015. “The ghost of hybrid war”. Survival 57, no. 6: 51–8. Clausewitz, Carl Von. 2010. Da guerra. São Paulo: Ed. Martins Fontes.

Curran, Kevin, Kevin Concannon, and Sean Mckeever. 2008. “Cyber terrorism attacks”. In Cyber warfare and cyber terrorism, edited by Lech J.Janczewski, and Andrew M. Colarik. New York: Information Science Reference: 1–6.

Demchak, Chris, and Peter Dombrowski. 2011. “Rise of cybered westephalian wge”. Strategic Studies Quarterly 5, no. 1: 32–61.

Dipert, Randall. 2010. “The ethics of cyberwarfare”. Journal of Military Ethics 9, no. 4: 384–410.

Fernandes, Hugo Miguel Moutinho. 2016. “As novas guerras: o desafio da guerra híbrida”. Revista de Ciências Militares 4, no. 2 (Nov.): 13–40. Lisboa.

Fernandes, José Pedro Teixeira. 2012a. “A ciberguerra como nova dimensão dos conflitos do século XXI”. Relações Internacionais: 53–69 (Março).

_____. 2012b. “Utopia, Liberdade e Soberania no Ciberespaço”. Revista Nação e Defesa 133: 11–31. Portugal: Instituto de Defesa Nacional.

Gabinete de Segurança Institucional. 2008. Portaria GSIPR Nº 2, de 8 de Fevereiro de 2008. Institui Grupos Técnicos de Segurança de Infraestruturas Críticas (GTSIC) e dá outras providências. https://contadores.cnt.br/legislacoes/porta- ria-gsipr-no-2-de-8-de-fevereiro-de-2008.html.

Gandhi, Robin, Anup Sharma, William Mahoney, William Sousan, Qiuming Zhu, and Phillip Laplante. 2011. “Dimensions of cyber-attacks: social, political, econo- mic and cultural”. IEEE Technology and Society Magazine: 28–38 (Spring).

Hoffman, Frank G. 2007. Conflict in the 21st century: the rise of hybrid wars. Virginia: Potomac Institute for Policy Studies Arlington.

Libicki, Martin. 2009. Cyberdeterrence and cyberwar. Pittsburgh: RAND Corporation.

Lobato, Luísa Cruz, and Kai Michel Kenkel. 2015. “Discourses of cyberspace securitization in Brazil and in the United States”. Revista Brasileira de Política Internacional 58, no. 2: 23–43. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7329201500202.

Mandarino Júnior, Raphael, and Claudia Canongia (Org.). 2010. Livro Verde: Segurança Cibernética do Brasil. Departamento de Segurança da Informação e Comunicações. Brasília: GSIPR/SE/DSIC.

Ministério da Defesa. 2012a. Estratégia Nacional de Defesa - END. Brasília. ht- tps://www.defesa.gov.br/arquivos/2012/mes07/end.pdf.

_____. 2012b. Livro Branco de Defesa Nacional. Brasília. https://www.defesa.gov. br/arquivos/2012/mes07/end.pdf.

_____. 2012c. Política de Defesa Cibernética — PDC. Brasília. https://www.defesa. gov.br/arquivos/File/legislacao/emcfa/publicacoes/md31_p_02_politica_ciber- netica_de_defesa.pdf.

_____. 2014. Doutrina Militar de Defesa Cibernética — DMDC. Brasília. ht- tps://www.defesa.gov.br/arquivos/legislacao/emcfa/publicacoes/doutrina/ md31_m_07_defesa_cibernetica_1_2014.pdf.

_____. 2015. Glossário das Forças Armadas. 5. ed. Brasília. http://bdex.eb.mil.br/ jspui/bitstream/123456789/141/1/MD35_G01.pdf.

_____. 2019. Escola Nacional de Defesa Cibernética é inaugurada em Brasília. Notícia. Brasília, 11 de fevereiro de 2019. https://www.defesa.gov.br/noticias/52690-es- cola-nacional-de-defesa-cibernetica-e-inaugurada-em-brasilia.

Nye, Joseph. 2012. “Guerra e paz no ciberespaço”. O Estado de S. Paulo (Abril). Internacional. http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,guerra-e-paz--no-

-ciberespaco-,861242,0.htm.

Nye Jr., Joseph S. 2011. The future of power. New York: Public Affairs.

Oliveira, Marcos Aurelio Guedes, Graciela De Conti Pagliari, Adriana A. Marques, Lucas Soares Portela, and Walfredo Bento Ferreira Neto. 2017. Guia de defesa ci- bernética da América do Sul. Recife: Ed. UFPE.

Olson, Soren. 2012. “‘Treino de Sombra’: a guerra cibernética e o ataque econômi- co estratégico”. Military Review: 73–83 (Set./Out.).

Rid, Thomas. 2013. Cyberwar will not take place. New York: Oxford University.

Silva, Júlio Cezar Barreto Leite da. 2014. “Guerra cibernética: a guerra no quinto domínio, conceituação e princípios”. Revista da Escola de Guerra Naval 20, no. 1: 193-211 (Jan./Jun.). Rio de Janeiro.

Singer, Peter Warren, and Allan Friedman. 2014. Cybersecurity and cyberwar: what everyone needs to know. 1. ed. New York: Oxford University Press.

Teixeira Júnior, Augusto W. M., Gills Villar Lopes, and Marco Túlio Delgobbo Freitas. 2017. “As três tendências da guerra cibernética: novo domínio, arma com- binada e arma estratégica”. Carta Internacional 12, no. 3: 30–53. Belo Horizonte.

Vaczi, Nobert. 2016. Hybrid warfare: how to shape special operations forces. 103 p. Dissertação (Mestre em Ciência e Arte Militar) — Faculdade da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército dos Estados Unidos, Fort Leavenworth, Kansas.

Vilar-Lopes, Gills. 2016. Relações Internacionais Cibernéticas (CiberRI): uma defesa acadêmica a partir dos estudos da segurança internacional. 171 p. Tese (Doutorado em Ciência Política) — Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Wendt, Emerson. 2011. “Ciberguerra, inteligência cibernética e segurança vir- tual: alguns aspectos”. Revista Brasileira de Inteligência 6: 15–26 (Abril). Brasília.




DOI: https://doi.org/10.26792/rbed.v7n2.2020.75178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES