O geoprocessamento como meio operacional e estratégico para defesa fronteiriça

Pedro Henrique Freire Janzantti, Silmara Cosme Cravo

Resumo


A vulnerabilidade da fronteira brasileira representa insegurança nacional. Neste artigo discutiremos como diferentes Tecnologias da Informação Geográfica do Geoprocessamento podem contribuir para estudos sobre defesa da fronteira brasileira. Para tanto, apresentamos o background teórico que justifica a aplicação do Geoprocessamento no monitoramento fronteiriço.


Palavras-chave


Fronteira; Geoprocessamento; Segurança Nacional; Território

Texto completo:

PDF

Referências


Archela, Rosely Sampaio. 2007. “Evolução histórica da Cartografia no Brasil – Instituições, formação profissional e técnicas cartográficasˮ. Revista Brasileira de Cartografia, 3 (59).

Archela, Roseli Sampaio e Hervé Théry. 2008. “Orientação metodológica para construção e leitura de mapas temáticosˮ. Confins: Revista Franco-brasileira de Geografia, 3 (1).

Backheuser, Everardo. 1950. “Leis Geopolíticas da Evolução dos Estados”. Boletim Geográfico. 8 (88). Rio de Janeiro: IBGE.

Bertin, Jacques. 2000. A Neográfica. Tradução: Jayme Antonio Cardoso. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Brasil. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

Brasil. 2005. Decreto nº 5.484, de 30 de junho de 2005. Aprova a Política de Defesa Nacional e dá outras providências. Decreto do Executivo, Brasília, DF, 30 jun. 2005. http://www.planalto.gov.br/ccivil-03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5484.htm.

Brasil. 2008. Decreto nº 6.666 de 27 de novembro de 2008. Institui, no âmbito do Poder Executivo federal, a Infra-Estrutura Nacional de Dados Espaciais- INDE, e dá outras providências. Decreto do Executivo, Brasília, DF, 27 nov. 2008. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6666.htm.

Brasil. 2012a. Política Nacional de Defesa. Estratégia Nacional de Defesa. Brasília: Ministério da Defesa.

Brasil. 2012b. Livro Branco de Defesa Nacional. Brasília: Ministério da Defesa.

Brasil. 2012c. Política Nacional de Defesa. http://www.defesa.gov.br/arquivos/2012/mes07/pnd.pdf.

Brasil. [s.d.] Folheto Sisfron. Brasília: EPEX Escritório de Projetos do Exército, Exército Brasileiro: Braço Forte – Mão Amiga.

Câmara, Gilberto, Antônio Miguel Vieira Monteiro, Suzana Druck Fucks e Marília Sá Carvalho. 2002. “Análise espacial e geoprocessamento”. In: Fucks, Suzana Druck; Câmara, Gilberto; Carvalho, Marília Sá; Monteiro, Antônio Miguel Vieira, organizadores. Análise espacial de dados geográficos. Brasília: EMBRAPA Cerrados.

Câmara, Gilberto; Monteiro, Antônio Miguel Vieira; Medeiros, José Simeão de. 2003. “Representações computacionais do espaço: fundamentos epistemológicos da ciência da geoinformação”. Geografia, Rio Claro, 28 (1): 83-96.

Castro, Therezinha de. 1997. América do Sul: vocação geopolítica. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra.

Contel, Fabio Betioli. 2014. As divisões regionais do IBGE no século XX (1942, 1970 e 1990). Terra Brasilis (Nova Série), 3: 1-17.

Cossul, Naiane Inez e Bruna Coelho Jaeger. 2016. O Papel da Infraestrutura no Combate aos Ilícitos Transfronteiriços na América do Sul. Revista Brasileira de Estudos de Defesa, 3 (1).

Costa, Wanderley Messias da. 1992. Geografia Política e Geopolítica: discursos sobre o território e o poder. São Paulo: HUCITEC: Editora da Universidade de São Paulo.

Costa, Wanderley Messias da. 1996. O estado e as políticas territoriais no Brasil. 5. ed. São Paulo: Contexto.

Costa, Wanderley Messias da. 2012. “Projeção do Brasil no Atlântico Sul: geopolítica e estratégia”. Revista USP, 95: 9-22.

Costa, Wanderley Messias da e Hervé Théry. 2012. “Quatre-vingts ans de géopolitique au Brésil: de la géographie militaire à une pensée stratégique nationale”. Hérodote, 3: 253-276.

Dallari, Dalmo de Abreu. 2016. Elementos de Teoria Geral do Estado. 33. ed. São Paulo: Saraiva.

ENAFRON. [s.d.] http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/credn/audiencias-publicas/2011/acompanhar-e-esclarecer-as-acoes-e-dificuldades-encontradas-para-prover-a-devida-protecao-as-fronteiras-brasileiras-1/apresentacao-enafron.

Ferreira, Marco César. 2014. Iniciação à análise geoespacial: teoria, técnicas e exemplos para geoprocessamento. São Paulo: Unesp.

Figueiredo, Eurico de Lima. 2009. “A produção do conhecimento: Poder, Política e Defesa Nacional”. In: Rocha, Marcio (Org.). Política – Ciência e Tecnologia – Defesa Nacional/Universidade da Força Aérea. Rio de Janeiro: UNIFA, nov.: 11-25.

Freitas, Jorge Manoel da Costa. 2004. A Escola Geopolítica Brasileira. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora.

Gottmann, Jean. 2007. La politique des États et leur géographie. Trad. Katia Bienvenu. Paris: Éditions du CTHS.

Guichonnet, Paul; Raffestin, Claude. 1974. Géographie des frontières. Paris: PUF.

Harley, Brian. 2009. “Mapas, saber e poder”. Confins: Revista Franco-brasileira de Geografia, 5.

Kantor, Íris. 2007. “Usos diplomáticos da ilha-Brasil. Polêmicas cartográficas e historiográficas”. Varia História, 23 (37): 70-80.

Kissinger, Henry. 2015. Ordem Mundial. Trad. Cláudio Figueiredo. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva.

Lacoste, Yves. 2014. La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre. Édition augmentée. Paris: La Découverte.

Maguire, David J. 1991. “An overview and definition of GIS”. Geographical Information Systems: Principles and applications, 1: 9-20.

Marques, Adriana Aparecida. 2001. Concepções de defesa nacional no Brasil: 1950 -1996. 154 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, São Paulo.

Martinelli, Marcello. 2005. “Cartografia dinâmica: espaço e tempo nos mapas”. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), 18: 53-66.

Martins, Élvio Rodrigues. 2014. “As dimensões do geográfico: diálogo com Armando Corrêa da Silva”. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, 18 (1): 40-54.

Mattos, Carlos de Meira. 2002. Geopolítica e Modernidade: geopolítica brasileira. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora.

Moodie, A. E. 1965. Geografia e Política. Trad. Christiano Monteiro Oiticica. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Oliveira, Jane Souto. 2003. “Brasil mostra a tua cara”: imagens da população brasileira nos censos demográficos de 1872 a 2000. Rio de Janeiro, RJ (Brasil): ENCE/IBGE. 69 p. (Texto para discussão, n. 6)

Oliveira, Luiz Antonio Pinto de e Celso Cardoso da Silva Simões. 2013. “O IBGE e as pesquisas populacionais”. Revista Brasileira de Estudos de População, 22 (2): 291-302.

Pérez-Machado, Reinaldo Paul. 2014. “Os novos enfoques da geografia como apoio das tecnologias da informação geográfica”. Revista do Departamento de Geografia, v. Especial Cartogeo, 203-241.

Queiroz Filho, Alfredo Pereira e Mariana Abrantes Giannotti. 2012. “Mapas na Web”. Revista do Departamento de Geografia. 171-189.

Queiroz Filho, Alfredo Pereira e Marcello Martinelli. 2007. “Cartografia de análise e de síntese na geografia”. Boletim Paulista de Geografia, 87 : 7-44.

Raffestin, Claude. 1980. Pour une géographie du pouvoir. Paris: Techniques.

Ratzel, Friedrich. 1988. “El território, la sociedad y el Estado”. In: Cantero, Nicolás Ortega; Jiménez, Julio Muñoz; Mendonza, Josefina Gómez. El pensamiento geográfico: estudio interpretativo y antología de textos (de Humboldt a las tendencias radicales). 2 ed. (corregida y ampliada). Madrid: Alianza Editorial. 193-203.

Rodrigues, Marcos. 1990. “Introdução ao Geoprocessamento”. In: Simpósio Brasileiro de Geoprocessamento, 1, São Paulo. Anais... São Paulo: POLI/USP. 1-26.

Ross, Jurandyr Luciano Sanches. 1985. “Relevo brasileiro: uma nova proposta de classificação”. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, 4.

Satellite Imaging Corp. [s.d.] “Homeland Securityˮ. https://www.satimagingcorp.com/applications/defense-mapping/homeland-security/.

Théry, Hervé. 1997. “Routes et déboisement en Amazonie brésilienne, Rondônia 1974-1996”. Mappe Monde, Maison de la géographie, 97 (3): 35-40.

Vainfas, Ronaldo (Org.). 2008. Dicionário do Brasil imperial. Rio de Janeiro: Objetiva. 301-302.

Zacher, Mark W. 2001. “The territorial integrity norm: International boundaries and the use of force”. International Organization, 55(2): 215-250.




DOI: http://dx.doi.org/10.26792/rbed.v5n1.2018.75063

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES