Geopolítica do espaço cibernético e o poder: o exercício da soberania por meio do controle

Lucas Soares Portela

Resumo


O surgimento do chamado espaço cibernético deu-se no meio acadêmico, no imaginário do homem. Surgiu para responder a uma demanda humana, sendo utilizado desde sua origem. A relevância que esse espaço tomou na vida da sociedade e do homem já é objeto de desavenças entre homens e litígios entre Estados.

Atualmente, muito se tem falado sobre a equiparação do espaço cibernético a um espaço geográfico, delimitações de fronteiras, soberania de Estado, controle governamental e disputa de poderes. Acredita-se também que a importância do espaço cibernético para o Estado tem uma relação direta com seu poder e soberania, conceitos que estão interligados ao espaço, universos estes que são estudados pela Geopolítica.

Assim, esse artigo pretendeu responder ao problema: a dinâmica do poder do século XXI gera uma territorialização do espaço cibernético como um espaço geográfico? A hipótese que norteou o artigo afirma que a projeção de poder, visando o controle, dentro do espaço cibernético, seja por Estados ou outros atores, desenha uma relação que se enquadra dentro da chamada nova geopolítica. O artigo foi estruturado em quatro tópicos temáticos sobre evolução da geopolítica, categorias constitutivas do território, nova geopolítica e relação com o poder e a geopolítica do espaço cibernético e o fator de controle.

Ao final do artigo, conclui-se que o espaço cibernético pode ser objeto de pesquisa da geopolítica a partir da análise da aplicação contemporânea do conceito de poder, desde que esse seja trabalhado dentro das atipicidades apresentadas pela geopolítica do espaço cibernético.


Palavras-chave


Geopolítica; Espaço cibernético; Poder; Controle; Espaço geográfico

Texto completo:

PDF

Referências


Aron, Raymond. 1979. Paz e Guerra entre as Nações. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Bonfim, Uraci Castro. 2005. Geopolítica. Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército. Ensino a Distância CPAEX/EAD. Rio de Janeiro: ECEME.

Burns, Edward Macnall. 1948. História da Civilização Ocidental. v. 1. Rio de Janeiro: Ed. Globo.

Castro, Therezinha. 1999. Geopolítica: princípios, meios e fins. Rio de Janeiro: BIBLIEx.

Cervo, Amado. 2008. Inserção Internacional: formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Ed. Saraiva.

Clarke, Richard A. 2010. Cyber War: the next threat to national security and what to do about it. New York: HarperCollins Publishers.

Costa, Wanderley Messias da. 1992. Geografia Política e Geopolítica: Discursos sobre o Território e o Poder. São Paulo: HUCITEC e Editora da USP.

Fabregat, Clemente Herrero. 2013. El resurgimiento de la geopolítica: la Geopolítica Cibernética. Revista de Geopolítica, 4 (1): 15-35, jan./jun. Rio Grande do Norte: UFRN.

Ferreira Neto, Walfredo B. 2014. Territorializando o “novo” e (re)territorializando os tradicionais: a cibernética como espaço e recurso do poder. In: Medeiros Filho, Oscar; Ferreira Neto, Walfredo B.; Gonzales, Selma Lúcia de Moura (Org.) Segurança e Defesa Cibernética: da fronteira física aos muros virtuais. Coleção I - Defesa e Fronteiras Cibernéticas. Pernambuco: Editora UFPE.

Gonzales, Selma Lúcia de Moura e Lucas Soares Portela. 2017. A geopolítica do espaço cibernético Sul-americano: conformação de políticas de segurança e defesa cibernética. Anais do 6º Encontro da Associação Brasileira de Relações Internacionais – ABRI. Belo Horizonte: ABRI.

Huntington, Samuel. 1997. O Choque das Civilizações e a recomposição da Nova Ordem Mundial. Rio de Janeiro: Objetiva.

Losano, Mario G. 2008. Karl Haushofer (1869-1946): o pai da geopolítica das ditaduras europeias.

Nye Jr, Joseph S. 2012. O futuro do poder. São Paulo: Benvirá.

Portela, Lucas Soares. 2015. Movimentos centrais e subjacentes no espaço cibernético do século XXI. Dissertação de Mestrado [Ciências Militares]. Rio de Janeiro: ECEME.

Putnam, Robert D. 1988. Diplomacy and Domestic Politics: The Logic of Two-Level Games. International Organization, 42 (3). Massachusetts: MIT Press.

Raffestin, Claude. 1993. Por uma Geografia do Poder. Paris: Ed. Ática.

Ratzel, Friedrich. 2011. A relação entre o solo e o Estado - Capítulo I: O Estado como organismo ligado ao solo [p. 59]. Tradução de Matheus Pfrimer. Revista Espaço e Tempo, 29: 51-58. São Paulo: GEOUSP.

Sack, Robert. 1986. Human Territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press.

Santos, Milton. 1986. Por uma Geografia Nova. 3. ed. São Paulo: Ed. Hucitec.

Singer, Peter. 2004. Um Só Mundo: A Ética da Globalização. São Paulo: Martins Fontes.

Ventre, Daniel. 2012. Ciberguerra. In: Academia General Militar. Seguridad global y potências emergentes em um mundo multipolar. XIX Curso Internacional de Defensa. Espanha: Universidad Zaragoza.

Villa, Rafael Duarte. 2000. Mackinder: Repensando a Política Internacional Contemporânea. Revista de Sociologia e Política, 14: 195-199, jun. Paraná: UFPR.

Violante, Alexandre Rocha. 2015. A Teoria do Poder Marítimo de Mahan: uma análise crítica à luz de autores contemporâneos. Revista da Escola Guerra Naval, 21 (1): 223-260, jan./jun. Rio de Janeiro: EGN.

Zakaria, Fareed. 2008. O mundo pós-americano. São Paulo: Companhia das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.26792/rbed.v5n1.2018.75081

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES