Segurança alimentar russa: estratégia de autonomia para uma estrutura internacional de incertezas

Thiago Lima, Atos Dias

Resumo


A insegurança alimentar está atrelada à debilidade do Estado e à instabilidade social. A Rússia contemporânea não parece fugir a esta tendência. Dentre os fatores que podem ter alavancado uma maior preocupação do governo russo em garantir a segurança alimentar estão: as crises dos anos 2000 (sobretudo a alimentar), que expôs a instabilidade do mercado internacional de alimentos; e as sanções impostas pelos governos ocidentais em retaliação às investidas geopolíticas da Rússia no seu entorno. Este artigo – a partir de uma revisão bibliográfica, análise de dados econômicos e exame documental – procurou entender como se dá a estratégia de segurança alimentar da Rússia, intitulada “Doutrina Russa”. Ficou perceptível que a “Doutrina Russa” é uma expressão da busca do Kremlin por redução das vulnerabilidades econômicas do país em um contexto geopolítico que lhe é inóspito, bem como de uma reinserção econômica internacional mais soberana e mais favorável à sua projeção de poder.


Palavras-chave


Segurança alimentar; Doutrina Russa; Geopolítica russa; Poder agroalimentar; Segurança nacional

Texto completo:

PDF

Referências


Alencar, Álvaro Gurgel de. 2001. Do conceito estratégico de segurança alimentar ao plano de ação da FAO para combater a fome. Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília, 44 (1), 137-144, jan/jun.

Bassou, Abdelhak. 2016. The importance of agricultural policy in terms of security, defense and sovereignty. OCP Policy Center. Policy Brief, Rabat, maio.

Clapp, Jenifer. 2012. Hunger in the Balance: the new politics of international food aid. London: Cornell University Press.

Connolly, Richard e Philip Hanson. 2016. Import Substitution and Economic Sovereignty in Russia. Research paper – Chatham House. Russia and Eurasia Programme. The Royal Institute of International Affairs, Chatham House, jun.

ESNFR (Estratégia de Segurança Nacional da Federação Russa). 2015. The Russian Federation’s National Security Strategy, 31 dez. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). 1996. Rome Declaration on World Food Security. Roma, 13-17 nov. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2017.

FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). 2003. Trade Reforms and Food Security: conceptualizing the linkages. Roma. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2017.

Keohane, Robert O. e Joseph S. Nye. 2012. Power and Interdependence. Nova York: Longman. 368p.

Lima, Thiago. 2012. Agricultural protectionism in developed countries as a State interest. Brazilian Journal of International Relations, 1 (2): 60-84.

Lima, Thiago. 2014. Alimentos: um recurso de poder nas Relações Internacionais? Um exame a partir da experiência histórica dos EUA. Caderno CEDEC, 118: 1-24.

Lima, Thiago e Atos Dias. 2016. A ajuda alimentar internacional dos EUA: política externa, interesses econômicos e assistência humanitária. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais. João Pessoa, 1 (1): 189-211.

Lima, Thiago; Alexandre C. C. Leite. 2016. Estrangeirização de terras: um questionamento à cooperação na ordem econômica internacional contemporânea? Monções, 5 (9): 121-151.

Malle, Silvana. 2016. Economic Sovereingty: an agenda for Militant Russia. Russian Journal of Economics, Amsterdam, 2: 111-128.

Maluf, Renato. S. J. 2007. Segurança alimentar e nutricional. Petrópolis: Vozes. 174p.

Mckeon, Norah. 2015. Food Security Governance: Empowering communities, regulating corporations. Londres: Routledge.

McMichael, Philip. 2013. Food regimes and agrarian questions. Halifax e Winnigpeg: Fernwood Publishing. 196p.

Moyo, Sam, Paris Yeros e Praveen Jha. 2012. Imperialism and primitive accumulation: notes on the new scramble for Africa. Agrarian South: Journal of Political Economy, 1 (2): 181-203.

Morgenthau, Hans J. 2003. A Política entre a Nações: a luta pelo poder e pela paz. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 1.093p.

Nenakhova, Ekaterina. 2018. Brasil abre mercado para trigo russo, pondo fim à “luta” requisitória de 9 anos. Sputnik. 26 de abril. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

Paarlberg, Robert. 2010. Food Politics. What everyone needs to know. Oxford University Press. 280p.

Patel, Raj e Philip McMichael. 2009. A political economy of the food riot. Review: a journal of the Fernand Braudel Center, 31 (1): 9-35.

Reuters. 2018. Russian state trader to supply 300,000 T of wheat to Venezuela in 2017/18. 27 de junho. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2018.

Sputnik. 2018ª. Exportações de alimentos da Rússia podem duplicar até 2025 graças a sanções internacionais. 12 de março. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

Sputnik. 2018b. “Exportações russas de cereais estão crescendo a níveis recorde. A Sputnik explica como a Rússia está se tornando o maior fornecedor de alimentos”. 30 de abril. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

Telesur. 2017. Russia Helps Venezuela Fight Opposition’s “Economic War”. 5 de junho. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2018.

USDA (United States Department of Agriculture). 2017. Production, Supply and Distribution Online (PSD Online), Washington. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

Vassilieva, Yelena e Mary Ellen Smith. 2010. Food Security Doctrine adopted. GAIN Report Number: RS1008. USDA, Foreign Agricultural Service. 02 nov.

Veiga, José Eli da. 2007. O desenvolvimento agrícola: Uma visão histórica. São Paulo: Edusp. 234p.

Wegren, Stephen K., Alexander M. Nikulin e Irina Trotsuk. 2017. The Russian Variant of Food Security. Problems of Post-Communism. 64 (1): 47-62.

WTO (World Trade Organization). 2017. Documents, data and resources, Genebra. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

Zeilanov, Isa e Aleksei Terentev. 2015. Principals of food security in modern Russia: political-economic aspect of the strategy. European Political and Law Discourse. 2 (2): 221-224.

Ziegler, Jean. 2013. Destruição em massa: geopolítica da fome. São Paulo: Cortez. 336p.




DOI: http://dx.doi.org/10.26792/rbed.v5n1.2018.75064

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES