Pacificação à brasileira? O paradigma de Caxias e os militares no governo de Jair Bolsonaro

Gilberto Marcos Antonio Rodrigues, Tadeu Morato Maciel

Resumo


Este artigo aborda o conceito de pacificação, através da atuação de Caxias, patrono do Exército Brasileiro, e do uso de sua imagem pelo Presidente Bolsonaro e pelos militares brasileiros na contemporaneidade. Analisa-se, em termos políticos e sociais, o paradigma de Caxias como pacificador do Segundo Império e o que os autores identificam como “pacificação à brasileira”, a partir de intervenções recentes no Haiti e no Rio de Janeiro. A apropriação de Caxias como eixo simbólico para as pacificações contemporâneas remete à identidade do Exército enquanto agente “moderador”, fornecendo importantes indícios sobre eventuais objetivos que os militares, com Bolsonaro, almejam alcançar.


Palavras-chave


Duque de Caxias, Pacificação; Exército brasileiro; Bolsonaro

Texto completo:

PDF

Referências


Arantes, P. 2014. O Novo Tempo do Mundo e outros estudos sobre a era da emergência. São Paulo: Boitempo.

Araújo, V. 2010. “General da Brigada Paraquedista que já comandou as tropas brasileiras no Haiti vai comandar a [...]”. O Globo, 08/12/2010. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2014.

Bento, C. M. 2003a. Caxias e a unidade nacional. Porto Alegre: Genesis.

______. 2003b. “Caxias como policial militar no Rio de Janeiro na Regência 1831/1838 e a sua significação histórica”. Academia de História Militar Terrestre do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

Castro, C. 2002. A invenção do Exército. Rio de Janeiro: Zahar.

Chauí, M. 2000. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Perseu Abramo.

Collinson, S.; Elhawary, S. e Muggah; R. 2010. “States of fragility: stabilization and its implications for humanitarian action”. HPG Working Paper, London/UK: Humanitarian Policy Group. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2015.

Dolhnikoff, M. 2005. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX. São Paulo: Globo, 2005.

Terra. 2018. “Eleição de Bolsonaro pacificará o país, afirma general Mourão”. Portal Terra, 04 out. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2019.

Ferreira, P. 2018. “Entenda quem foi Duque de Caxias: citado por Bolsonaro, militar reprimiu revoltas populares no Império”. O Globo, 01/11/2018. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

Forjaz, C. H. 2005. Espada Caxias. Rio de Janeiro: [s./n].

Garbin, L. 2017. “Após 13 anos, Brasil deixa o Haiti”. O Estado de S. Paulo, 26/08/2017. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2017.

Godoy, M. 2019. “Veteranos do Haiti e paraquedistas chegam ao Planalto”. O Estado de S. Paulo, 01/01/2019. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

Gomes, M. S. 2014. A “pacificação” como prática de “política externa” de (re)produção do self estatal: rescrevendo o engajamento do Brasil na Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti. Tese (Doutorado), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Hayes, R. 1991. A Nação Armada. A mística militar brasileira. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora.

Harig, C. 2015. “Peacekeeping in Haiti: A Laboratory for Pacification in Rio de Janeiro?”, Strife, 28/05/2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2017.

Hirst, M. e Nasser, R. 2014. Brazil’s involvement in peacekeeping operations: the new defence-security-foreign policy nexus. NOREF Report, Norwegian Peacebuilding Resource Centre. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2016.

Homem, F. S. 1981. “O libelo do povo”. Revista de Ciência Política, n. 3, v. 24, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas: 149-184.

Magalhães, D. G. 1989. “Memória Histórica e Documentada da Revolução da Província do Maranhão, desde 1839 até 1840”. Novos Estudos Cebrap, n. 23: 14-66.

Magnoli, D. 1997. O corpo da pátria. Imaginação geográfica e política externa no Brasil. São Paulo: Editora da Unesp / Editora Moderna.

Malacalza, B. 2014. “Modelos de Cooperación Internacional para el Desarrollo en Haití. Discursos, Prácticas y Tensiones”. Relaciones Internacionales, Universidad Autónoma de Madri, n. 25: 53-77.

Moreno, M. R.; Braga, C. C. e Gomes, M. S. 2012. “Trapped between many worlds: a post-colonial perspective on the UN Mission in Haiti (Minustah)”. International Peacekeeping, vol. 19(3): 377-392.

Uol. 2018. “Mourão: ‘Não somos ditadores que chegamos para tomar o país’”. Uol Notícias, São Paulo, 30 out. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

Muggah, R. e Carvalho, I. S. 2011. “O Efeito Sul: reflexões críticas sobre o engajamento do Brasil com países frágeis”. Revista Brasileira de Segurança Pública. São Paulo, ano 5, ed. 9, ago./set.: 166-176.

Oliveira, J. P. 2014. “Pacificação e tutela militar na gestão de populações e territórios”. Mana, 20(1): 125-161. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

Peixoto, P. M. 1973. Caxias: Nome tutelar da nacionalidade. Rio de Janeiro: Edico.

Rodrigues, G. M. A. 2019. “El Trump del Trópico? Política exterior de ultraderecha em Brasil”. Análisis Carolina, n. 06/2019, Fundación Carolina.

Rodrigues, T. M. 2016. “Narcotráfico, Militarização e Pacificações: novas securitizações no Brasil” In Dos Passos, R. e Fuccille, A. (Orgs.). Visões do Sul: crise e transformações do sistema internacional. vol. 2, Marília: Oficina Universitária, São Paulo: Cultura Acadêmica.

Santos, M. O. 2004. Berços de heróis: o papel das escolas militares na formação de “salvadores da pátria”. São Paulo: Annablume.

Shulz, J. 1994. O Exército na Política: Origens da intervenção militar, 1850-1894. São Paulo: Edusp.

Sotomayor, A. C. 2014. The Myth of the Democratic Peacekeeper: Civil-Military Relations and the United Nations. Baltimore: Johns Hopkins University Press.

Souza, A. B. 2008a. Duque de Caxias: O homem por trás do monumento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

______. 2008b. “O resgate do que se desmancha: a cartografia da pacificação da Balaiada”. Topoi, v. 9, n. 16, jan.-jun.: 233-257. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

______. 2017. “Mito de Estado, Estado é: o Duque de Caxias e as práticas pacificadoras do Exército imperial” In Souza, A. B.; Silva, A. M.; Moraes, L. E. e Chirio, M. Pacificar o Brasil: das guerras justas às UPPs. São Paulo: Alameda: 175-195.

______ et. al. 2017 “Uma nação ordeira: a longa história da violência ‘pacificadora’ no Brasil” In Souza, A. B.; Silva, A. M.; Moraes, L. E. e Chirio, M. Pacificar o Brasil: das guerras justas às UPPs. São Paulo: Alameda: 9-20.

Souza Lima, A. C. 2015. “Sobre tutela e participação: povos indígenas e formas de governo no Brasil, séculos XX/XXI”. Mana, vol. 21(2), Rio de Janeiro: 425-457. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2016.




DOI: https://doi.org/10.26792/rbed.v6n2.2019.75145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES