A atividade de Inteligência nos novos documentos de Defesa do Brasil

Alexandre de Oliveira Martins

Resumo


O artigo compara os documentos brasileiros de Defesa de 2016 (minutas/propostas) com os de 2012 (oficiais), associando‑os com a Política Nacional de Inteligência (2016) e a Estratégia Nacional de Inteligência (2017), objetivando identificar como a Atividade de Inteligência é abordada pela Defesa e como uma área propõe cooperar e interagir com a outra.


Palavras-chave


Brasil, Atividade de Inteligência; Novos Documentos de Defesa; Documentos de Inteligência.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. 1999. Lei nº 9. 883, de 7 de dezembro de 1999. Institui o Sistema Brasileiro de Inteligência, cria a Agência Brasileira de Inteligência – ABIN, e dá outras providências. Brasília.

______. 2002. Decreto nº 4. 376, de 13 de setembro de 2002. Dispõe sobre a organização e o funcionamento do Sistema Brasileiro de Inteligência, instituído pela Lei n° 9. 883/1999, e dá outras providências. Brasília.

______. 2003. Decreto nº 4. 872, de 6 de novembro de 2003. Dispõe nova redação aos artigos 4º, 8º e 9º do Decreto n° 4. 376, de 13 de setembro de 2002, que dispõe sobre a organização e o funcionamento do Sistema Brasileiro de Inteligência, instituído pela Lei n° 9. 883, de 7 de dezembro de 1999. Brasília.

______. 2008. Decreto nº 6. 540, de 19 de agosto de 2008. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 4. 376/2002, que dispõe sobre a organização e o funcionamento do Sistema Brasileiro de Inteligência, instituído pela Lei nº 9. 883/1999. Brasília.

______. 2008. Decreto nº 6. 703, de 18 de dezembro de 2008. Aprova a Estratégia Nacional de Defesa, e dá outras providências. Brasília.

______. Ministério da Defesa. 2012. Política Nacional de Defesa. Estratégia Nacional de Defesa. Brasília: Ministério da Defesa.

______. Ministério da Defesa. 2012. Livro Branco da Defesa Nacional. Brasília: Ministério da Defesa.

______. Comissão Nacional da Verdade. 2014. Relatório / Comissão Nacional da Verdade. Recurso eletrônico. Brasília: CNV. (Relatório da Comissão Nacional da Verdade; v. 1).

______. CPI da Espionagem. 2014. Relatório Final. Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar a denúncia de existência de um sistema de espionagem, estruturado pelo governo dos Estados Unidos, com o objetivo de monitorar e-mails, ligações telefônicas, dados digitais, além de outras formas de captar informações privilegiadas ou protegidas pela Constituição Federal. Brasília: Câmara dos Deputados.

______. Ministério da Defesa. 2016. Política Nacional de Defesa. Estratégia Nacional de Defesa. Versão sob apreciação do Congresso Nacional (Lei Complementar 97/1999, art. 9º, § 3º). Brasília: Ministério da Defesa.

______. Ministério da Defesa. 2016. Livro Branco de Defesa Nacional. Versão sob apreciação do Congresso Nacional (Lei Complementar 97/1999, art. 9º, § 3º). Brasília: Ministério da Defesa.

______. 2016. Decreto nº 8. 793, de 29 de junho de 2016. Fixa a Política Nacional de Inteligência. Brasília.

______. 2017. Estratégia Nacional de Inteligência. Brasília: Gabinete de Segurança Institucional.

Cepik, Marco A. C. 2001. Serviços de Inteligência: Agilidade e Transparência como Dilemas de Institucionalização. Tese de doutorado, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Gonçalves, Joanisval Brito. 2008. Sed Quis Custodiet Ipso Custodes? O Controle da Atividade de Inteligência em Regimes Democráticos: os Casos de Brasil e Canadá. Tese de doutorado, Pós-Graduação em Relações Internacionais, Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília, Brasília.

Herz, John H. 1950. Idealist Internationalism and the Security Dilema. World Politics, 2.

Kent, Sherman. 1949. Strategic Intelligence for American World Policy. Princeton: Princeton University Press.

Oliveira, Marcel Carrijo de. 2010. A Democratização Tardia da Inteligência na Argentina e no Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília.

Platt, Washington. 1974 [1957]. A Produção de Informações Estratégicas. Rio de Janeiro: Agir/Bibliex.

Raza, Salvador Ghelfi. 2004. Para além dos Livros Brancos de Defesa. In: Brigagão, Clóvis; Proença Júnior, Domício (Org. ). Paz e Terrorismo: Textos do Seminário Desafios para a Política de Segurança Internacional: Missões de Paz da ONU, Europa e América. São Paulo: Hucitec. 334-356.

Ugarte, José Manuel. 2002. Control Público de la Actividad de Inteligencia: Europa y América Latina, una Visión Comparativa. Congresso Internacional “Post-Globalización: Redefinición de la Seguridad y la Defensa Regional en el Cono Sur”, Centro de Estudios Internacionales para el Desarrollo, Buenos Aires.

Volkman, Ernest. 2013. A História da Espionagem: o Mundo Clandestino da Vigilância, Espionagem e Inteligência, desde os Tempos Antigos até o Mundo pós-9/11. São Paulo: Editora Escala.




DOI: http://dx.doi.org/10.26792/rbed.v4n2.2017.75010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES