As camadas do espaço cibernético sob a perspectiva dos documentos de defesa do Brasil

Marcos Aurelio Guedes de Oliveira, Lucas Soares Portela

Resumo


O espaço cibernético se concretizou no decorrer da história como um espaço geográfico contemporâneo, onde as relações político‑sociais encontram
continuidade. No âmbito da defesa, esse espaço se tornou mais uma arena de jogo de poder das relações internacionais. Apesar do espaço cibernético já ter sido considerado importante desde sua criação, a percepção estratégica dele para defesa é relativamente recente. 

No Brasil, o espaço cibernético se tornou focal apenas na Política de Defesa Nacional de 2005, ocasião em que foi equiparada a mais duas áreas: aeroespacial e nuclear. No documento daquele ano, a defesa cibernética do país foi atribuída ao Exército, que deveria coordenar as operações, inclusive nos âmbitos das demais forças. No Livro Branco de 2012, a preocupação pela defesa desse espaço gerou objetivos concretos, como a criação do Centro de Defesa Cibernética (CDCiber) e o Sistema Brasileiro de Defesa Cibernética.

Atualmente, os documentos que abordaram essa temática estão sendo debatidos e rediscutidos. As novas edições estão próximas de serem finalizadas
e nos causa uma indagação: como esses documentos abordam as três camadas que compões o espaço cibernético (hardware, software, peopleware), especialmente as próximas versões. Por fim, esse artigo é dividido em três partes: considerações iniciais; documentos de primeira geração; documentos de segunda geração e as minutas dos novos documentos, que estão em apreciação no Congresso Nacional. 


Palavras-chave


Espaço Cibernético; Livro Branco de Defesa Nacional; Estratégia Nacional de Defesa; Política Nacional de Defesa; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. 2005. Decreto 5484/2005: Política de Defesa Nacional. Brasília: Ministério da Defesa.

______. 2008. Decreto 6703/2008: Estratégia Nacional de Defesa. Brasília: Ministério da Defesa.

______. 2012a. Política Nacional de Defesa – Estratégia Nacional de Defesa. Brasília: Ministério da Defesa.

______. 2012b. Livro Branco de Defesa Nacional. Brasília: Ministério da Defesa.

______. 2016a. Minuta da Política Nacional de Defesa e Estratégia Nacional de Defesa: versão sob apreciação do Congresso Nacional. Brasília: Ministério da Defesa.

______. 2016b. Minuta do Livro Branco de Defesa Nacional: versão sob apreciação do Congresso Nacional. Brasília: Ministério da Defesa.

Brasscom. 2017. Brasil TI-BPO Book. Brasil IT+. Brasília: ApexBrasil.

Clarke, Richard A; Knake, Robert A. 2012. Cyber War: The Next Threat to National Security and What to do About It. New York: HarperCollins Publishers.

Defesanet. 2017. Kryptus: Fornecerá para a Autoridade Certificadora da Defesa (AC-DEFESA). Defesanet, Porto Alegre, mar. 2015. Tecnologia. Disponível em . Acesso em 04 dez. 2017.

EBC. 2017. Primeiro Satélite Brasileiro inicia operações e fica sob responsabilidade da FAB. Agência Brasil. Geral. 05 de julho de 2017. Disponível em: . Acesso em 28 nov. 2017.

Ferreira Neto, Walfredo B. 2014. Territorializando o “Novo” e (Re)Territorializando os Tradicionais: a Cibernética como Espaço e Recurso do Poder. In: Medeiros Filho, Oscar; Ferreira Neto, Walfredo B.; Gonzales, Selma Lúcia de Moura (Org.). Segurança e Defesa Cibernética: da Fronteira Física aos Muros Virtuais. Pernambuco: Editora UFPE. (Coleção I - Defesa e Fronteiras Cibernética).

ITI. 2017. AC Defesa é credenciada à ICP-Brasil. Brasília: Casa Civil da Presidência da República. Disponível em . Acesso em 04 dez. 2017.

Knight, Peter T. A. 2014. Internet no Brasil: Origens, Estratégia, Desenvolvimento e Governança. Bloomington: AuthorHouse.

Mandarino Jr. , Raphael. 2010. Segurança e Defesa do Espaço Cibernético Brasileiro. Recife: Cubzac.

Marconi, Marina de A. ; Lakatos, Eva M. 2003. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.

Ministério da Defesa. 2014. Doutrina Militar de Defesa Cibernética. Brasília: Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Lins, Bernardo. 2007. Perfil Industrial do Setor de Software. In. : Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica. O Mercado de Software no Brasil: Problemas Institucionais e Fiscais. Brasília: Câmara de Deputados.

Raffestin, Claude. 1993. Por uma Geografia do Poder. Paris: Ed. Ática.

Richardson, Roberto J. 1999. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas.

Unctad. 2017. Information Economy Report 2017. Switzerland: United Nations Publications.

Unoosa. 2016. Lauched into Outer Space: Database of Unoosa. Vienna: United Nation.

Ventre, Daniel. 2012. Ciberguerra. In: Academia General Militar. Seguridad Global y Potencias Emergentes en un Mundo Multipolar. XIX Curso Internacional de Defensa. Zaragoza: Universidad Zaragoza.




DOI: http://dx.doi.org/10.26792/rbed.v4n2.2017.75014

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES