A Institucionalização no Complexo Regional de Segurança Sul-Americano: uma comparação entre quatro períodos históricos

Thales Leonardo de Carvalho, Andréa Luiza Fontes Resende de Souza

Resumo


O artigo pretende apresentar evidências sobre a consolidação das identidades e interações relacionadas à segurança entre os atores sul-americanos na forma de instituições regionais. Recorremos à análise das dinâmicas regionais em períodos diferentes, em quatro diferentes níveis de análise, visando entender como as mesmas interferiram nessa institucionalização.


Palavras-chave


Complexos Regionais de Segurança; Instituições; Defesa; América do Sul; Atlântico Sul.

Texto completo:

PDF

Referências


Abdul-Hak, Ana Patrícia. 2013. O Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS): objetivos e interesses do Brasil. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão. 280p.

Amorim, Sérgio Gonçalves de. 2013. “Perspectivas Brasileiras na Convergência entre o SIBIN e a ZOPACAS”. Austral 2 (4): 11-31, jul./dez.

Bernstein, Steven. 2002. “International institutions and the framing of domestic policies: the Kyoto Protocol and Canada’s response to climate change”. Policy sciences 35: 203-236.

Brasil. 1952.Presidência da República. Decreto nº 30.544, de 14 de fevereiro de 1952. Promulga a Carta da Organização dos Estados Americanos. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro.

Buzan, Barry e Ole Waever. 2003. Regions and powers: the structure of international security. Cambridge: Cambridge University Press.

Buzan, Barry, Ole Waever and Jaap de Wilde. 1998. Security: a new framework for analysis. Boulder: Lyenne Rienner.

Caldas, Aderson de Oliveira. 2013. Zopacas e o Brasil: O discurso e as práticas brasileiras na iniciativa de paz e cooperação do Atlântico Sul. 41 f. Artigo (Especialização) – Especialização em Relações Internacionais. Brasília: Universidade de Brasília.

Carvalho, Thales Leonardo. 2018. A “Virada à Esquerda” e as políticas de defesa e políticas externas relacionadas à segurança na América Latina: um estudo comparativo de 16 mandatos presidenciais. 121p. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

CEPAL. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. 1994. El regionalismo abierto en América Latina y el Caribe. La integración económica al servicio de la transformación productiva con equidad, (LC/G.1801-SES.25/4). Santiago, 28 jan.

Finnermore, Martha. 1996. “Norms, culture, and World Politics: insights from sociology’s institutionalism”. International Organization 50 (2): 325-347.

Fuccille, Alexandre. 2014. Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS): balanço e perspectivas. In: IX Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política Brasília,

-7 ago.

Fuccille, Alexandre. 2018. Brasil e o Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS): um balanço de uma década de sua existência. In: XI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política. Curitiba, 31 jul.-3 ago.

Fuccille, Alexandre e Lucas Rezende. 2013. Complexo regional de segurança da América do Sul: uma nova perspectiva. Contexto Internacional, 35 (1): 77-104, jan./jun. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-85292013000100003.

Fukuyama, Francis. 1992.O fim da história e o último homem. Tradução: Aulyde S. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco.

Galtung, Johan. 1969. “Violence, peace and peace research”. Journal of peace research, 6 (3): 167-191.

Gibbs, Denis Richard. 2011. MacKinder meets Buzan: A Geopolitical Extension to Security Complex Theory with an Emphasis on the Polar Regions. 417 f. Tese (Doutorado) – Programme of Political Science, The University of Waikato, New Zealand.

Gratius, Susanne. 2012. The rise of latin american regionalism: the same old thing? IDEAS Foundation, Madri.

Guzzini, Stefano. 2003. “Il construttivismo e il ruolo delle instituzioni nelle relazioni internazionali”. Rassegna italiana di sociologia, 2: 215-236, Apri/Giugno.

Hall, Peter e Rosemary Taylor. 2003. “As três versões do neoinstitucionalismo”. Lua nova, 58:193-223. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452003000100010.

Johnston, Alastair. 2001. “Treating international institutions as social environments”. International Studies Quarterly, 45 (4): 487-515, Dec.

JID. Junta Interamericana de Defesa. 2018. Historical overview. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2018.

Kacowicz, Arie. 1998. Zones of Peace in the Third World: South America and West Africa in Comparative Perspective. Nova York: State University of New York Press.

Levitsky, Steven; Roberts, Kenneth. 2011. Democracy, development and the left. In: Levitsky, Steven; Roberts, Kenneth (eds.). The ressurgence of Latin American left. Baltimore: The John Hopkins University Press.

Mainwaring, Scott e Aníbal Pérez-Liñán. 2013. Democracy and dictatorships in Latin America: emergence, survival and fall. Cambridge: Cambridge University Press.

Martins Filho, João Roberto. 1999. “Os Estados Unidos, a Revolução Cubana e a Contra-insurreição”. Revista de Sociologia e Política, 12: 67-82.

Meek, George. 1975. “U.S. influence in the Organization of American States”. Journal of Interamerican Studies and World Affairs, 17 (3): 311-325.

Monteiro, Licio Caetano do Rego. 2017. “Geopolítica da Segurança na América do Sul: o papel do Brasil e os dilemas de uma região em transição”. L’espace politique, 1 (31).

OEA. Organização dos Estados Americanos. Carta da Organização dos Estados Americanos. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018.

Paraguassu, Lisandra. 2018. Brasil e outros 5 países suspendem participação na UNASUL. In: Reuters, 20 abr. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2018.

Penha, Eli Alves. 2011. Relações Brasil-África e geopolítica do Atlântico Sul. Salvador: EDUFBA.

Penha, Eli Alves. 2012. A fronteira oriental brasileira e os desafios da segurança regional no Atlântico Sul. Revista da Escola de Guerra Naval, 18 (1): 113-134.

Penna Filho, Pio. 2003. Regionalismo Segurança e Cooperação : o Atlântico Sul como espaço de possibilidades entre o Cone Sul e a África Austral. Anais eletrônicos... XXVII ANPOCS, Caxambu.

Riggirozzi, Pía. 2012. Regionalism through social policy and policy action: rescaling responsabilities and rights. Economy and Society, 43 (3): 432-454.

Silva, Fabrício Pereira. 2010. Até onde vai a “onda rosa”? Análise de Conjuntura OPSA, n.2.

Silva, Antonio Ruy de Almeida. 2014. O Atlântico Sul na Perspectiva da Segurança e da Defesa. In: NASSER, Reginaldo Mattar; MORAES, Rodrigo Fracalossi. O Brasil e a segurança em seu entorno estratégico. Brasília: IPEA.

Smith, Peter H. 1996. Talons of the Eagle: Dynamics of US-Latin American Relations, New York; Oxford: Oxford University Press.

Souza, Andrea Luiza Fontes Resende de. 2017. As Forças Navais dos Estados Unidos no Atlântico Sul: Um estudo de caso sobre a Quarta Esquadra. 195 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Relações Internacionais, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Stewart-Ingersoll, Robert e Derrick Frazier. 2012. Regional Powers and Security Orders: A Theoretical Framework. London: Routledge.

Teixeira, Carlos Gustavo Poggio. 2012. Brazil, The United States, and the South American Subsystem: Regional Politics and the Abscent Empire. Maryland: Lexington Books.

Veiga, Pedro da Motta e Sandra P. Rios. 2007. “O regionalismo pós-liberal na América do Sul: origens, iniciativas e dilemas”. CEPAL Serie Comercio Internacional, 82, Julio.

Wendt, Alexander. 1992. Anarchy is what states make of it: the social construction of power politics. International Organization, 46 (2): 391-425, Spring.

Wendt, Alexander. 1999. Social Theory of International Politics. Cambridge: Cambridge University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.26792/rbed.v5n1.2018.75083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES