Incursões das forças armadas na segurança pública sob as lentes do jornalismo para a paz: o Rio de Janeiro como “laboratório de guerra”

Erica C. A. Winand, Pedro Henrique Silva Moura, Juliana de Paula Bigatao Puig

Resumo


Com base na análise de materiais da grande imprensa brasileira compilados pelo Observatório Sul-Americano de Defesa e Forças Armadas acerca das operações armadas na segurança pública no estado do Rio de Janeiro, entre os anos de 2016 a 2018, argumentamos neste trabalho que a imprensa brasileira atua com padrões predominantes do chamado jornalismo para a guerra, em consonância com o referencial teórico-metodológico desenvolvido por Galtung, Lynch e McGoldrik. Em contraste com narrativas de mídias alternativas, a exemplo do Observatório da Intervenção, que empodera vozes da favela, constatamos que a mídia brasileira pratica, na maioria das vezes, a chamada verdade única, construída por vozes dominantes, sendo isto um caminho de perpetuação da violência, em detrimento do papel mediador de conflitos que a mídia pode exercer, adotando parâmetros do chamado jornalismo para a paz.


Palavras-chave


Rio de Janeiro; Estudos para a Paz; violência estrutural; grande imprensa brasileira; Jornalismo para a Paz.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Anistia Internacional. 2018. Informe 2017/2018 – O estado dos direitos humanos no mundo. https://anistia.org.br/wpcontent/uploads/2018/02/in forme2017-18online1.pdf

BEATO, Claudio. 2007. “A mídia define as prioridades da segurança pública”. In Mídia e Violência: novas tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil, edited by Silvia Ramos and Anabela Paiva. Rio de Janeiro: IUPERJ.

Biazoto, Joice. 2011. “Peace journalism where there is no war: Conflict-sensitive reporting on urban violence and public security in Brazil and its potential role in conflict transformation”. Conflict & communication online 10, no. 2: 1––9. Berlin.

Castells, Manuel. 2007. “Communication, Power and Counter-power in the Network Society”. International Journal of Communication 1: 238–266.

Coimbra, Cecília. 2001. Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro: Intertexto.

Circuito de Favelas por Direitos. 2018. Relatório 2018. Defensoria Pública da União: Rio de Janeiro.

Ferreira, Marcos Alan. 2019.“Introdução: os Estudos para a Paz e o Brasil”. In Estudos para a paz: conceitos e debates, edited by Marcos Alan Ferreira, Paulo Kuhlmann, and Roberta Holanda Maschietto. São Cristóvão: Editora UFS.

Fonseca, Francisco. 2003. “O conservadorismo patronal da grande imprensa brasileira”. Opinião Pública 9, no. 2: 73–93. Campinas.

Galtung, Johan. 1969. "Violence, Peace, and Peace Research”. Journal of Peace Research 22, no. 3: 167–191.

_____. 1985. “Twenty-Five Years of Peace Research: Ten Challenges and Some Responses”. Journal of Peace Research 6, no. 3: 141–158.

_____. 1998. “High road, low road: Charting the course of peace journalism”. Track Two, vol. 7, no. 4: 7–10

_____. 1996. Peace by peaceful means: ‘Peace and conflict, development and civilization’. Londres: Sage Publications.

_____ 2006. “Peace journalism as an ethical challenge”. Global Media Journal Mediterranean Edition 1, no. 2: 1–5.

_____. 1965. Peace, War and Defense: Essays in Peace Research. Copenhaguen: Ejlaers.

Galtung, Johan, and Mari Holmboe Ruge. 1965. “The Structure of Foreign News”. Journal of Peace Research 2, no. 1: 64–91.

Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES). 2016. Observatório Sul-Americano de Defesa e Forças Armadas. Informe Semanal Brasil Sul-Americano. https://gedes-unesp.org/informes/informe-semanal-brasil-sul-americano-2/

_____. 2017. Observatório Sul-Americano de Defesa e Forças Armadas. Informe Semanal Brasil Sul-Americano. https://gedes-unesp.org/informes/informe-semanal-brasil-sul-americano-2/

_____. 2018. Observatório Sul-Americano de Defesa e Forças Armadas. Informe Semanal Brasil Sul-Americano. https://gedes-unesp.org/informes/informe-semanal-brasil-sul-americano-2/

Gondim, Linda Maria. 1982. “A Manipulação do Estigma de Favelado na Política Habitacional do Rio de Janeiro”. Revista de Ciências Sociais 12, no. 1: 27–44. Fortaleza.

Graham, Stephen. 2016. Cidades sitiadas: o novo urbanismo militar. São Paulo: Boitempo.

Groten, Hubert and Jansen Jürgen. 1981. “Interpreters and Lobbies for Positive Peace”. Journal of Peace Research, 12, no. 2: 175–181.

Lederach, John Paul. 2003. The Little Book of Conflict Transformation. New York: Good Books.

LYNCH, Jake. 2015. “Peace journalism: Theoretical and methodological developments”. Global Media and Communication 13, no. 3: 193–199.

Lynch, Jake, and Annabel McGoldrick. 2005. Peace Journalism. London: Hawthron Press.

Observatório da Intervenção. Infográfico #8 – Muito tiro, pouca aula. Pouca aula, +Bandido. Online, 2018b. Disponível em: .

_____. Infográfico #9 – A Intervenção Acabou. Quanto custou? Online, 2018a. Disponível em: .

_____. Violência tem solução?. YouTube, 22 de mar. de 2019. Disponível em: .

Ramos, Silvia, and Anabela Paiva. 2007. Mídia e violência: novas tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. IUPERJ: Rio de Janeiro.

Redes da Maré. 2018. Boletim: Direito à Segurança Pública na Maré. http://redesdamare.org.br/media/downloads/arquivos/BoletimSegPublica2018.final.pdf

_____. 2019. Quem somos. http://redesdamare.org.br/b r/quemsomos/apresentacao

Spivak, Gayatri. 2010. Pode o Subalterno Falar?. Belo Horizonte: UFMG.

VIANNA, Patricia. 2019. “Vidas faveladas importam! Uma reflexão sobre a segurança pública nas favelas. In A vida na favela: relatos sobre o cotidiano em meio à violência armada. Caderno 1: 35-8. Rio de Janeiro: Redes da Maré.

Winand, Érica Cristina, and Juliana Bigatão. 2014. “A política brasileira para os direitos humanos e sua inserção nos jornais: a criação da Comissão Nacional da Verdade”. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos 2, no. 2: 41–62. Bauru.




DOI: https://doi.org/10.26792/rbed.v8n2.2021.75274

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES